segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Especial Oscar 2016: Os 8 Odiados (Por Cris F Santana)


Se você espera ir ao cinema e ver um filme característico do maluco diretor Tarantino. Pode ir que não vai se decepcionar! São duas horas e quarenta e oito minutos de fotografia foda muito bem feita. (o cara usa lentes 70mm, é um clássico do começo ao fim).

Os 8
O filme tem todos os elementos do "cinema Tarantino" desde a introdução com letreiros estilo faroeste, as tomadas de câmera longas com ênfase em detalhes, os diálogos longos (daqueles que dão dicas pra gente descobrir quem é o próximo que vai morrer), o uso da luz, a trilha sonora combinando elementos de cena com a ação, esqueci de algo?! Deve ter também..
O elenco é quase que o elenco default de Tarantino. Samuel L Jackson é destaque no octeto, interpretando o ex soldado do Sul, atual caçador de recompensas. Tim Roth, impecável, como sempre. O atrapalhado Sheriff Chris Mannix de Walton Goggins faz a ponte do humor de forma pontual e bem utilizada. O mesmo faz a Daisy Domergue de Jennifer Jason Leigh e suas graças com a própria futura morte que arranca gargalhadas sem nem precisar abrir a boca (tipo mímica ou quase). 

A historia é de um sujeito chamado John Ruth (Kurt Russell) que está levando a bandida Daisy Domergue pra ser enforcada. No meio de uma nevasca iminente encontra com outro caçador de recompensas (o Samuel) e com o futuro xerife da cidade pra onde se dirige. O grupo é obrigado a parar numa hospedaria no meio do caminho para não morrer no meio da neve. Lá conhecemos os outros personagens da trama. O mexicano (Demián Bichir) que está tomando conta da hospedaria (ou talvez isso), o general reformado das tropas do Confederação (Bruce Dern) mais um da Guerra de Secessão, e o carrasco local (o cara que vai fazer o enforcamento). Ruth sabe que algum daqueles caras está ali pra ajudar a prisioneira e garante que não vai permitir. E falar mais que isso já é muito spoiler.

Condenada a forca e de olho na Estatueta
O interessante é como por baixo do roteiro de assassinos e caçadores existe uma representação do que foi e ainda é a formação social americana. Os ex combates das tropas da Confederação e seu escrachado e preconceito racial (Nem dá pra contar quantas vezes se chama o Samuel de Nigga). O negro e ex combatente das tropas do Sul que garantiu e garante sua presença na base da força (ou da bala) e ainda a inclusão do mexicano.

Como todo mundo já imaginava, o estilo Tarantino de filmar garantiu uma indicação ao Oscar de Melhor Fotografia. E as misturas de sons a de Melhor Trilha Sonora. O destaque entre as indicações de Os 8 Odiados é a de Melhor Atriz Coadjuvante para Jennifer Jason Leigh bem justificada.  

Em seu oitavo filme (e ele diz que tem 10 histórias pra contar, tá acabando galera) Tarantino não só usa seu já conhecido estilo de fazer cinema, mas apresenta uma história social dentro da história superficial. Que ao final, simbolicamente, amassa a falsa convenção americana deixando registrada a sua crítica.

Por tudo isso (e não acho que precisa de nada mais) vale muito o ingresso do cinema. Recomendado.

Cris F Santana

Curiosidade: Tarantino disse mesmo que tinha 10 histórias pra contar, e destaca ser esse o 8o filme nos créditos da história. Ou seja, fãs, segurem o coração que faltam 2!

2015 Os Oito Odiados
2012 Django Livre
2009 Bastardos Inglórios
2007 À Prova de Morte
2004 Kill Bill: Volume 2
2003 Kill Bill: Volume 1
1997 Jackie Brown
1994 Pulp Fiction: Tempo de Violência
1992 Cães de Aluguel
...



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...