quinta-feira, 24 de abril de 2014

Cult de Quinta: Chinatown (Por Espanhol)

(Chinatown)

E ae galera! Tudo bem com vocês? Espero que sim! Depois de um hiato de quase um mês sem cults estou voltando tentando voltar a ativa! hahahaha... O filme dessa semana é um dos clássicos policiais mais famosos de todos os tempos: Chinatown de Roman Polanski. Uma pedida certeira pra quem gosta do gênero e deseja assistir grandes atuações com um enredo original e envolvente que espero que deixem vocês, assim como eu fiquei, grudados na telinha até descobrirem o mistério que cerca nosso "herói" J.J. Gittes, imortalizado por nada mais, nada menos que o excelente Jack Nicholson.



Los Angeles, 1937. Um detetive particular, uma traição, uma esposa misteriosa, um assassinato e a construção de uma nova barragem de água na cidade dão o tom para uma das obras primas do controverso diretor Roman Polansk. Sentiu o clima noir? Polanski oferece um verdadeiro representante romântico-policial com o que o gênero trás de melhor: uma trama enigmática, reviravoltas, suspense e um enredo sublime.

J.J. Gittes (Jack Nicholson) é um detetive particular que investiga traições e outros casos escusos na caricata Los Angeles dos anos 30. Gittes recebe a visita de uma mulher misteriosa (Diane Ladd) que acredita que seu marido, Hollis Mulwray (Darrell Zwerling) engenheiro-chefe do Departamento de Águas e Energia, tem uma amante. Ao começar a investiga-lo, Gittes o fotografa com outra jovem e quando o caso se torna público, o detetive se vê envolvido com algo muito maior que um simples caso de traição, principalmente quando descobre que foi contratado por uma farsante ao se encontrar com a verdadeira Mrs. Mulwray (a belíssima Faye Dunaway).

O filme acerta em cheio na combinação da direção afiada de Polanski em conjunto com elementos como figurino, trilha sonora, fotografia e principalmente na escolha e a dedo dos atores que compõem elenco, dando uma áurea de verossimilhança com um roteiro memorável que, com toda certeza, muitas poucas películas do gênero conseguiram e irão conseguir ser bem sucedidas em realizar. Inclusive vale citar que, muito do que vemos hoje, com essa mesma temática, bebe da fonte de Chinatown.

A trama começa a ficar envolvente com o súbito “acidente” que ceifa a vida de Hollis Mulwray. Gittes, agora trabalhando para a verdadeira víuva Mrs. Mulwray, fica obcecado em descobrir a verdade sobre o porquê de ser envolvido no meio de uma teia de intrigas e segredos e conforme sua investigação, passo a passo, avança, o suspense cresce a cerca da verdade que o detetive conhece sobre a vida da recente viúva e também de seu passado nebuloso com seu pai, Noah Cross (John Huston).

A atmosfera passada enquanto acompanhamos os métodos e descobertas de Gittes, que o coloca em colisão com uma trama obscura, funciona como um verdadeiro caso a lá Sherlock Holmes enquanto nós, meros telespectadores vamos espiando as descobertas de nosso “tutor”, anotando e memorizando os fatos como faria nos contos o seu fiel escudeiro Dr. Watson. Outro acerto do filme é deixar o público com as mesmas informações que sua personagem principal, o que faz com que cada cena em que Gittes se aproxima da verdade nos faça questionar também as nossas teorias sobre o mistério que permeia a narrativa.

Tudo começa e tudo termina em Chinatown, popularmente conhecido com subúrbio chinês da grande cidade onde muitos, inclusive Gittes, considera ser uma “terra sem lei”. Chinatown está ligado a um passado como policial do detetive particular, passado também que alimenta uma rixa com seu ex-parceiro, o recém-promovido, delegado Escobar (Perry Lopez), que para os mais familiarizados com as estórias de Holmes, faria um paralelo perfeito com o conhecido Inspetor Lestrade.

A trinca de atores: Jack Nicholson, Faye Dunaway e John Huston dão o ritmo à fita. É sabido que o roteiro foi escrito tendo em mente que quem interpretaria J.J. Gittes seria Nicholson. Acredito que dispense mais comentários sob o resultado da atuação dele. A feame fatale Faye Dunaway está igualmente impecável. Misteriosa, sedutora e frágil na medida certa. Por fim, mas não menos importante, John Huston da à vida a um vilão curioso, que mesmo com pouco tempo em cena, passa uma imagem assustadora, principalmente quando é sabido do que o mesmo é capaz, para conquistar aquilo que ele deseja.

Alvo de muita discussão entre Roman e seu roteirista Robert Towne, o desfecho é um divisor de opiniões. Na minha, acredito que as personagens deveriam ter mais sorte! (Pois é acredito em finais felizes!), mas, como não se discute com 11 indicações ao Oscar e uma estatueta de Melhor Roteiro Original, vejo que a critica e a academia aprovaram o gosto amargo da realidade. “Forget it, Jake, it's Chinatown!”: É o conselho que resta ao nosso Holmes Noir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...