quinta-feira, 20 de março de 2014

Cult de Quinta: Um Drink no Inferno (Por Espanhol)


Fala galera! Tudo bem com vocês? Espero que sim! Essa semana temos um filme roteirizado e interpretado por nada mais nada menos que Quentin Tarantino! O diretor-ator-roterista-produtor cumpre todos os requisitos com maestria para encher as páginas desse blog com vários trabalhos que, ao meu ver, são tão icônicos quanto o próprio. Não é incomum ouvirmos a palavra "tarantinesco" atribuído a várias películas ou cenas de filmes, enfim, apresento a vocês uma verdadeira "obra tarantinesca", dirigida por seu parceiro de longa data Robert Rodriguez.



Uma dupla de ladrões de banco violentos em fuga da policia, uma família inocente com um pai de família, ex-pastor, que perdeu a fé e um bar de motoqueiros mexicano de beira de estrada repleto de vampiros e criaturas monstruosas ao melhor estilo trash e gore.  Achou estranho que isso se passe em um único filme? Não para a dupla Quentin Tarantino e Robert Rodriguez que se divertem orquestrando uma caricata homenagem aos filmes B americanos nesse longa que atira primeiro e pergunta depois.

Um aviso: Se você busca um filme que faz questionamentos profundos ou que passa uma mensagem para uma vida melhor, ou daqueles que a Academia adora, esse filme não é para você. Agora, se você busca diversão barata, sangue e tripas de vampiros espalhadas pelo chão, chavões e clichês dignos do segundo escalão do cinema com uma pitada da magia de Hollywood, você está no lugar certo. Os irmãos Seth Gecko (George Clooney) e Richard Gecko (Quentin Tarantino) estão sendo procurados por um recente assalto a banco e pelo assassinato de 16 pessoas. Em meio a uma fuga desenfreada para atravessar a fronteira para o México, a dupla sequestra uma família de um ex-pastor e seu casal de filhos para conseguirem chegar ao seu ponto de encontro, um motoclube “misterioso” de beira de estrada.

Seria impossível começar a escrever essa crítica sem falar da aura tarantinesca que emana das cenas do filme. Logo a primeira sequência da película, o ator-roterista já nos da uma introdução super “sutil” sobre a personalidade dos irmãos Gecko. O frio, controlado e calculista Seth Gecko e do intemperado, explosivo e perturbado Richard Gecko e assim como temos em Pulp Fiction, a chamada inicial é calma e explicativa até um ponto de ruptura repentino. O resultado é o estopim de uma guerra em um posto de gasolina, onde tudo acaba pelos ares.
                
A sinergia de pensamentos de Rodriguez com Tarantino é fenomenal é possível ver claramente as ideias do segundo criando vida pela mão do primeiro de forma que o sentimento é que não se perde nada nos trabalhos de cada cena, inclusive, vale citar uma singela homenagem a memorável cena das gêmeas de Kubrick em O Iluminado, aonde as imagens cortadas vão aparecendo como flashs na tela, só que dessa vez mostrando o resultado do sadismo de Richard Gecko, ao molestar e assassinar uma mulher que havia sido sequestrada durante o roubo ao banco.

Os irmãos encurralam o ex-pastor Jacob Fuller (Harvey Keitel) e seus filhos Kate Fuller (Juliette Lewis) e Scott Fuller (Ernest Liu) em um hotel de beira de estrada onde estavam se escondendo.  Jacob então é obrigado conduzir seu trailer com sua família e os bandidos até o México e tem como garantia somente a palavra de Seth de que eles seriam libertados, após a escapada bem sucedida da dupla das autoridades. O grupo então se dirige ao ponto de encontro: o bar de motoqueiros Titty Twister.

A partir desse ponto, esqueça tudo que o filme já lhe mostrou de verossimilhança, depois da dança da sensual garota “Satanico Pandemonium” (Salma Hayek) os presentes se transformam em vampiros e demônios sedentos por sangue atacando e dilacerando todos os presentes, o filme transforma o bar em uma praça de guerra do “bem contra o mal”, onde bandidos viram mocinhos, mocinhos viram caçadores sanguinários e motoqueiros viram heróis, no maior estilo non-sense gore possível e imaginável.

Para quem não sabe do que se trata, até então, parece que estamos vendo outro filme, que nada tem a ver com a primeira parte da película, a qual é marcada pela tensão entre os irmãos e a família sequestrada. Já na segunda parte, Clooney rouba a cena como o anti-herói disposto a mandar de volta para o inferno à horda de criaturas malignas que decidiu fazer do grupo a refeição da madrugada de uma forma cômica e pouco ortodoxa.

Surpreendente e com a receita da dobradinha Rodriguez e Tarantino, Um Drink no Inferno se destaca por ser um produto de Hollywood com alma de filme B e oferece todos os elementos pra ser uma boa pedida para o gênero, afinal, quem precisa de um bom motivo quando simplesmente se pode assaltar bancos de dia e empalar vampiros mexicanos a noite, tudo isso acompanhado por um belo drink?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...