quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Cinema: A Hospedeira (Por Cris F Santana)

(The Host)

Cartaz do Filme
Não costumo usar o padrão comum a maioria das pessoas, ler o livro e depois assistir ao filme. Tenho por conceito que, como livro (salvo raras exceções) sempre tem uma história mais completa, ao seguir a sequência: filme - livro, ainda haverá algo que me surpreenda reservado apenas no livro. Já a sequência inversa, tende a gerar decepção. 

Com este filme, cometi esta injustiça. Ou seja, tornou-se inviável falar do filme sem comparações. Minha culpa.

Enfim, inspirado no livro homônimo, o que vi nesta película chamei, carinhosamente, de "crepusculização de uma história". Talvez por a autora do livro, Stephenie Meyer, ser a mesma da saga crepúsculo (nada contra, aliás, assisti a todos os filmes desta) tentou-se, aparentemente, seguir a mesma receita. O triângulo (quase quadrado) amoroso entre a meio alien, meio humana e os dois rapazes. 
Não digo que a história tenha se perdido, o viés principal estava lá. Porém perdeu-se uma parte da característica dos personagens ao se colocar, por exemplo, para interpretar o moço Jared, um ator que aparentava quase a mesma idade da protagonista, quando a diferencia de idade entre eles era um dos pontos fortes de conflito da trama original. 

A história fez-se arrastada em partes que poderiam exibir mais ação e, em contra partida, foi acelerada em pontos que mereciam que a passagem de tempo fosse enfatizada. Em vários momentos foi necessário explicar ao amigo que também assistia (e desconhecia a história) o porquê de alguma atitude tomada pela protagonista.

Ou seja, é de se entender que o filme tenha sido tão pouco comentado. A tentativa de seguir a receita da história de lobos e vampiros nesta, que pouco tinha em comum com a outra, foi mesmo um tiro pela culatra.

Cris F Santana



Relacionados à Stephenie Meyer:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...